O aumento da competitividade exige que as empresas reavaliem constantemente quais são suas vantagens competitivas e que valor estão entregando a seus clientes. Uma cadeia de valor pode ajudar a trazer estas respostas.

Mas afinal, o que é uma cadeia de valor?

Uma cadeia de valor nada mais é do que um diagrama onde são representadas as atividades de uma empresa. Esta ferramenta estratégica foi criada por Michael Porter em 1985 e permite compreender melhor o negócio. Ela auxilia na criação de vantagem competitiva, entregando aos clientes maior valor ao menor custo possível.

Para entender um pouco melhor como isso tudo funciona, vamos conhecer os principais elementos da cadeia de valor:

Atividades primárias

As atividades primárias são aquelas diretamente ligadas a fabricação, venda e transporte do produto até o cliente. Elas são divididas em cinco categorias:

  1. Logística de entrada: Consiste nas atividades relacionadas ao recebimento e movimentação de estoque de matéria-prima.
  2. Operações: Esta etapa contempla tudo o que está relacionado a equipamentos, montagens, embalagem de produto, manutenção do parque fabril e outras atividades de criação de valor, ou seja, que transformam a matéria-prima no produto acabado.
  3. Logística de saída: Contempla as atividades relacionadas a entrega do produto ou serviço ao cliente, incluindo sistemas de coleta, armazenamento ou distribuição.
  4. Marketing e vendas: Contempla as atividades que permitem aos clientes conhecer o produto ou serviço e efetuar a compra.
  5. Serviço: Contempla as atividades que aumentam a percepção de valor dos produtos ou serviços para o cliente, após a compra. Isso inclui serviços de instalação, suporte, treinamento, atualizações, entre outros.

Atividades de apoio

São as atividades que dão suporte para as atividades primárias e que ajudam a criar uma vantagem sobre os concorrentes. Elas são divididas em quatro categorias:

  1. Infraestrutura da empresa: São os sistemas de suporte necessários para que a empresa possa manter suas operações. Alguns exemplos são os setores jurídico, financeiro, contabilidade e gestão da qualidade.
  2. Gestão de Recursos Humanos: Este item trata de todas as atividades relacionadas com o recrutamento, capacitação, retenção e remuneração da força de trabalho.
  3. Desenvolvimento de tecnologia: São atividades de apoio à cadeia de valor, como pesquisa e desenvolvimento, automação de processos, design etc.
  4. Compras: Envolve a aquisição dos recursos necessários para que a empresa possa trabalhar: aquisição de matérias-primas, serviços, máquinas, material de escritório, entre outros. Isso também inclui encontrar fornecedores e negociar os melhores preços.

De acordo com Michael Porter, as atividades primárias e de suporte são representadas no diagrama a seguir.

Cadeia de Valor

Agora que você já entendeu o que é e quais os principais elementos de uma cadeia de valor, conheça as principais etapas que devem ser seguidas ao montar uma cadeia de valor.

1. Identifique o desdobramento das atividades primárias e de apoio

Identifique aquelas atividades que são necessárias para a criação do produto ou serviço prestado pela empresa. Elas estão divididas em três subcategorias:

  • Atividades diretas: atividades que geram entregam valor sem depender de outra atividade da cadeia, por exemplo: vendas e publicidade.
  • Atividades indiretas: auxiliam na entrega de valor para que as atividades diretas ocorram sem problemas, por exemplo: gerenciar o time de vendedores e manter os registros dos clientes.
  • Garantia de qualidade: Aquelas atividades que garantem que as atividades diretas e indiretas atendam aos padrões necessários.

Determine as subatividades que criam valor dentro de cada atividade primária. Por exemplo, como o departamento de recursos humanos pode agregar valor em logística, operações, etc.

Como na etapa anterior, as atividades diretas, indiretas e de garantia de qualidade devem ser identificadas.

2. Analise o valor e os custos das atividades identificadas

Para realizar esta etapa será necessário contar com a ajuda dos seus colaboradores e refletir sobre as formas como cada atividade agrega valor aos clientes e ao negócio em geral.

Em seguida, compare a atividade com a vantagem competitiva que você está tentando alcançar (liderança ou diferenciação de custos) e veja se ela apoia o objetivo. Para concluir esta etapa, faça perguntas semelhantes a:

  • Esta atividade é trabalhosa?
  • Quanto custa a matéria-prima X?

Isso ajudará a identificar quais atividades são lucrativas e quais não são.

3. Identifique as conexões

Nesta etapa, todas as conexões entre as atividades previamente identificadas devem ser destacadas. Este processo costuma demandar um tempo considerável.

4. Procure oportunidades para aumentar o valor

Uma vez que as etapas acima tenham sido concluídas, é importante determinar quais atividades devem ser otimizadas ou aprimoradas para maximizar o valor que oferece aos clientes.

Para finalizar, é importante ter em mente que a cadeia de valor de sua organização deve refletir as estratégias de negócio, deve estar claro em termos das características que a diferenciam de seus concorrentes ou, ter uma estrutura de custos menor. Então, uma vez depois de concluídas as etapas anteriores, você terá uma lista enorme de propostas de mudança e deve priorizá-las, focando nas que mais impactam o cliente, garantindo que agreguem valor.

Marcelo Becher

Autor

Marcelo Becher

Especialista em Gestão Estratégica pela PUC-PR. Analista de negócios e mercado na SoftExpert, fornecedora de softwares e serviços para automação e aprimoramento dos processos de negócio, conformidade regulamentar e governança corporativa.

Você também pode gostar:

Receba conteúdo gratuito em seu e-mail!

Assine nossa Newsletter e receba materiais sobre as melhores práticas em gestão produzidos por especialistas.

Ao clicar no botão abaixo, você confirma que leu e aceita nossa Política de Privacidade.