Construída com base em metodologias e frameworks amplamente aceitos como Balanced Scorecard e COSO, a gestão do desempenho baseada em riscos é uma resposta aos modernos desafios relacionados a riscos e desempenho enfrentados nos dias de hoje. Mas afinal, o que é a gestão do desempenho baseada em riscos?

A gestão do desempenho baseada em riscos é uma metodologia de execução estratégica desenvolvida para possibilitar que as empresas sustentem a execução de sua estratégia através da integração da estratégia de negócio, com a gestão do desempenho e a gestão de riscos. Um elemento central nessa metodologia é a compreensão do termo “apetite de risco” e como a empresa pode operar conforme o seu “apetite aos riscos”.

Para simplificar o entendimento, o site riskbasedperformance.com, que agrupa os trabalhos globais relacionados ao tema, propôs um diagrama, que pode ser observado abaixo:

rbpm-framework

Esse diagrama descreve um processo que vai desde a captura dos elementos de negócio fundamentais para uma segmento ou organização até a entrega de valor aos acionistas. E entre esses dois pontos são listadas sete disciplinas fundamentais:

  • Definição da estratégia
  • Gestão do desempenho
  • Gestão dos riscos
  • Alinhamento entre riscos e estratégia
  • Governança
  • Cultura
  • Comunicação

No diagrama ainda aparece o elemento “apetite”, ele não é considerado uma disciplina, mas é um elemento importante. Ele serve como uma cola, que mantém unidas as disciplinas, pois influencia e é influenciado por cada uma delas.

Como podemos ver abaixo, podemos dividir o processo em dois grandes círculos. O da esquerda tem seu foco na definição e na execução da estratégia, enquanto que o da direita tem foco na manutenção dos resultados obtidos e na incorporação dessa prática na cultura da organização.

gestão do desempenho baseada em riscos - diagrama

Gary Cokins, em seu artigo “Perigos e promessas da gestão do desempenho baseada em riscos“, comenta que tanto a gestão de riscos como a gestão do desempenho apresentam duas premissas em comum:

  1. Quanto menos incerteza a respeito do futuro, melhor
  2. Se você não pode medir, então não pode gerenciar

Com essas premissas essa metodologia se desenvolve. Tomando todo o cuidado para identificar os riscos aplicados ao seu planejamento estratégico, visando minimizar as suas incertezas e, ao mesmo tempo, definindo e monitorando indicadores de desempenho para maximizar o controle, visando ter todas as informações possíveis para possibilitar a tomada correta de decisões.

Quer conhecer mais a respeito desta metodologia? Leia o artigo completo do Gary Cokins. Você pode fazer o download no botão abaixo.

Ler o artigo agora

Tobias Schroeder

Autor

Tobias Schroeder

Especialista em Gestão Estratégica pela UFPR. Analista de negócios e mercado na SoftExpert, fornecedora de software para automação e aprimoramento dos processos de negócio, conformidade regulamentar e governança corporativa.

Você também pode gostar:

Receba conteúdo gratuito em seu e-mail!

Assine nossa Newsletter e receba materiais sobre as melhores práticas em gestão produzidos por especialistas.

Ao clicar no botão abaixo, você confirma que leu e aceita nossa Política de Privacidade.