A demanda por plataformas de software baseadas no conceito “low-code” segue em ascensão. De acordo com um estudo recente publicado pelo Gartner, este mercado deve movimentar US$ 13,8 bilhões até o final de 2021, o que representa um crescimento de mais de 22% se comparado ao ano passado.

A carência de recursos de TI é uma realidade em muitas organizações. As tecnologias low-code surgem como alternativa, permitindo que alguns tipos de projeto, que não apresentam um nível elevado de complexidade, sejam transferidos para as áreas de negócio. Desta forma, usuários que não têm nenhum conhecimento formal ou treinamento em desenvolvimento de software podem criar suas próprias soluções, uma vez que este tipo de ferramenta requer pouca ou nenhuma codificação. Por meio de interfaces gráficas intuitivas e assistentes de configuração, os usuários podem construir aplicações de maneira muito mais rápida, em comparação ao método tradicional, baseado em codificação manual.

Ainda segundo o Gartner, por estas razões, cerca de 65% das atividades de desenvolvimento de aplicativos serão realizadas por meio de ferramentas low-code até 2024.

Recursos indispensáveis em uma solução de BPM low-code

Uma plataforma de BPM low-code combina ferramentas de desenvolvimento com recursos para gerenciamento de processos de negócio, permitindo que os usuários criem e implementem aplicações com agilidade, acelerando a automação dos processos de negócio. Conheça a seguir os recursos que são indispensáveis:

1. Modelador de Processos BPM low-code

Ferramentas de BPM low-code oferecem um modelador intuitivo baseado no padrão BPMN 2.0, um dos mais conhecidos do mercado. Esse modelador permite aos usuários criar e conectar atividades, decisões e eventos, utilizando o recurso de arrastar e soltar (drag-and-drop). Em seguida é possível definir prazos, responsáveis e configurar as propriedades de cada elemento, por meio de uma interface simples e intuitiva.

2. Formulários Eletrônicos low-code (eForms)

Formulários eletrônicos também podem ser projetados por meio de low-code. Os usuários podem aplicar componentes como caixas de texto, listas de valores, campos de data e hora, grids, sem nenhuma linha de código. Os formulários podem então ser acoplados aos processos para que sejam preenchidos com dados de negócio durante a execução dos workflows, e que ao final um resultado seja gerado.

3. Integração

No mundo corporativo, é muito comum que os dados de negócio estejam espalhados em diferentes sistemas, tais como ERP ou CRM. Duplicidade de informações pode resultar em erros e comprometer a produtividade das equipes. Ao selecionar uma plataforma de BPM low-code, procure por opções que ofereçam a possibilidade de acesso a fontes de dados externas e de integração com outras aplicações, utilizando APIs ou WebServices, e que possam ser configuradas por meio de assistentes que não exijam linhas de código nem conhecimento técnico avançado.

4. Análise de Dados com BPM low-code

Uma vez que os processos estão automatizados e que as atividades começam a ser executadas de forma eletrônica, uma grande quantidade de dados começa a surgir. Por isso, ferramentas integradas de Data Analytics são essenciais em soluções de BPM low-code. Elas permitem que os usuários construam suas próprias análises ou relatórios, que ajudam a identificar gargalos, atrasos e outros pontos de ineficiência, direcionando as ações de melhoria. Ferramentas como o SoftExpert Analytics permitem transformar esses dados em dimensões e medições, que podem ser utilizadas para construir tabelas e diversos tipos de gráfico, utilizando o recurso de arrastar e soltar.

5. Portais de Gestão

É essencial que as soluções de BPM low-code ofereçam a possibilidade de criação de portais gerenciais, para que as análises e indicadores de processo possam ser publicadas e compartilhadas, garantindo aos líderes e gestores facilidade no acesso aos dados, no monitoramento dos processos e na tomada de decisão.

6. Acesso via Dispositivos Móveis

O conceito de low-code está diretamente ligado a facilidade e velocidade. Por isso, faz todo sentido que a execução dos workflows e o acesso aos portais de gestão possa ser realizado por meio de dispositivos móveis, tais como tablets e smartphones. Ao garantir que as pessoas tenham acesso a informações, independentemente de onde estejam, uma solução de BPM low-code permite a empresa operar de maneira mais ágil e eficaz.

Para saber mais sobre este tema, convido você para o SoftExpert BPM, um software para gestão de processos, que melhora a visibilidade e o controle dos processos de negócio por meio de uma solução low-code, com interface amigável e focada nas pessoas (human-centric). O SoftExpert BPM gerencia todas as etapas do seu ciclo de vida, desde a modelagem e otimização até a automação, execução e monitoramento.

Conheça o SoftExpert BPM

 

Marcelo Becher

Autor

Marcelo Becher

Especialista em Gestão Estratégica pela PUC-PR. Analista de negócios e mercado na SoftExpert, fornecedora de softwares e serviços para automação e aprimoramento dos processos de negócio, conformidade regulamentar e governança corporativa.

Você também pode gostar:

Receba conteúdo gratuito em seu e-mail!

Assine nossa Newsletter e receba materiais sobre as melhores práticas em gestão produzidos por especialistas.

Ao clicar no botão abaixo, você confirma que leu e aceita nossa Política de Privacidade.